Direto da África: 14 perguntas sobre Cape Town e Johanesburgo

CONTEÚDO MULTIMÍDIA – RICARDO RUAS


A beleza de Cape Town vai além da sua geografia recortada. Ela tem características que a tornam ainda mais bela. O vento é o responsável por empurrar toda e qualquer poluição da cidade para o mar. Ele também é o responsável por um fenômeno que torna a água do Atlântico mais fria no Verão do que no Inverno. Durante a estação mais quente, os banhos são entre 10 e 14 graus, por isso a maioria das casas litorâneas mantém suas próprias piscinas, para aproveitar o calor curtindo a paisagem, mas sem encarar as ondas. Já nas encostas, uma lei assegura a não ocupação, situação que se repete por algumas praias onde é proibido tapar a vista para o mar.

1. Existem alguns critérios para visitar a África do Sul?
É exigida a vacinação contra a febre amarela. O cartão é olhado tanto na África do Sul quanto no retorno ao Brasil. Não há a necessidade de visto.

2. Como é o esquema de gorjetas?
Observe sempre a conta, conferindo os itens consumidos e se a taxa de serviço já está incluída. Geralmente o valor é de 14% do total da conta. Além disso, os estabelecimentos deixam um campo em aberto solicitando uma gratificação. Caso você tenha se convencido que o serviço foi bom e merece a gorjeta, sugira um valor em rands e faça a soma do que será pago no final. Se o serviço não estiver descrito, é de bom tom ofertar pelos menos os 14%.


3. Cape Town é segura?
O índice de criminalidade é bem baixo o que torna a cidade segura. Mas não fique de bobeira nos seus momentos de turista. Nada de estar com a mochila nas costas ou carteira no bolso de trás enquanto está concentrado fazendo fotos. O mesmo vale para o celular. Não pareça um turista desavisado. A polícia orienta sobre batedores de carteira em locais de muita concentração de pessoas, mas faz a sua parte, estando sempre nas ruas. Há muitos pedintes circulando, mas não se impressione. A orientação é dizer “obrigado” e ir caminhando, sem dar muita atenção a eles.

4. Qual o clima da cidade?
Cape Town é uma cidade praiana, com calor no Verão e frio no Inverno. Fica na mesma linha de Buenos Aires, então, já viu como ficam as temperaturas nestas duas épocas do ano, né?! Segundo os moradores, chove pouco por lá e, quando chove, geralmente é de maneira rápida e principalmente no Inverno. Mas troveja. E muito. E os raios cortam os céus em uma tempestade seca, sem nuvens ou chuvas. Os dias de Verão são longos e os pores do sol são os mais incríveis que já vi.

5. De Cape Town como chegar ao Cabo da Boa Esperança?
Existem várias formas, vai depender do seu bolso. Dá para alugar um carro e dirigir por cerca de uma hora e meia para chegar até lá. Os veículos são no sistema de trânsito inglês, com o volante no lado direito. Caso tenha dificuldade em dirigir ao contrário do que é no Brasil, solicite um Uber. Como é uma viagem mais longa, o mesmo condutor pode esperar para trazer você de volta para Cape Town. Talvez vocês tenham que combinar o retorno sem o uso do aplicativo, daí é importante ter dinheiro em espécie para pagar ao motorista. Os táxis são outra maneira possível de se chegar lá, mas tente combinar os valores fechados antecipadamente. Viajar com o taxímetro ligado pode ser uma desagradável surpresa. Tem ainda os ônibus de turismo (vermelhos de dois andares) que levam até lá e esperam para o retorno. Se estiver em hotel, pode adquirir excursões em empresas especializadas que levam tanto de ônibus quanto de vans.

6. Onde se hospedar em Cape Town?
Como em outros países, ficamos em um apartamento alugado pelo aplicativo AirBnb. Localizado aos pés da Table Mountain, no bairro Green Point, estávamos também do lado do prédio do Parlamento e a cinco minutos de outras atrações como a Long Street. Moderno, aconchegante e num ótimo endereço, nosso prédio era de flats para hóspedes e também moradores. Dois quartos, dois banheiros, cozinha e sala espaçosa com vista incrível da cidade. Mas tem ainda os hostels, mais baratos e bem qualificados. Fica em Cape Town os mais premiados da África do Sul como o The B.I.G. e o The Backpackers. Ou seja, é garantia de boa hospedagem e a chance de conhecer gente do mundo inteiro. Não se esqueça dos hotéis. De uma maneira geral, os gastos são de 20 a 30% mais em conta lá em relação ao Brasil.


7. Como subir a Table Mountain?
Não é necessário ser um atleta para chegar ao topo da mais famosa montanha da região. Se quiser, claro, você pode encarar as trilhas de duas a seis horas (dependendo do ponto de partida), mas também poderá entrar no teleférico e ir para cima sem qualquer esforço. A estrutura foi construída em 1929, mas levou 27 anos para completar 1 milhão de visitantes! O volume atual de público é bem alto e, dependendo do vento, o cable car pode ser fechado. Por isso, fique atento às orientações dadas pela equipe de trabalho.

8. Que outras atrações ecológicas tem em Cape Town?
A cidade inspira saúde e bem-estar. Não é difícil ver pessoas correndo nas praças e praias, pedalando entre um ponto e outro e fazendo outras atividades em contato com a natureza. As trilhas são as mais comuns e justamente por causa delas os turistas chegam a Cape Town. Ao contrário da Table Moutain, no entanto, a Signal Hill e a Lion’s Head só podem ser feitas a pé. São ambas de média a difícil graduação, mas iniciam de maneira leve e até estes pontos podem ser feitas por qualquer pessoa. Na Lion’s Head fomos até o topo, passando por pedras íngremes, escadas, se segurando em correntes. Foi onde vimos o mais lindo pôr do sol da nossas vidas.

9. Quais os mais bacanas pontos turísticos de lá?
Bo-kaap fica na região central. É um bairro de descendentes de escravos com casas coloridas para contrastar com as cores suaves das roupas que eram obrigados a utilizar quando segregados. O Two Oceans Aquarium tem espécies dos dois oceanos que se encontram no Cabo da Boa Esperança, o Atlântico e o Índico. E está localizado na região do V&A Waterfront, área portuária revitalizada e que ganhou shopping centers, dezenas de bares e restaurantes, lojas, hotéis e um clima de diversão durante todo o dia. A partida para conhecer a Robben Island, onde Nelson Mandela ficou preso, também é daqui. A cidade inteira tem ainda muitos monumentos históricos e museus, um dos maiores jardins botânicos do mundo, o Kirstenbosch; e ótimas vinícolas (o vinho pinotage é criação sul-africana). A produção do vinho vem desde 1685 e só a Constantia fabrica o vinho de sobremesa mais famoso e vendido no mundo, o Grand Constant.


10. A Praia dos Pinguins fica perto?
Fica perto, no caminho que leva ao Cabo da Boa Esperança, em Simon’s Town. Você paga para entrar no trecho onde estão os animais. E circula por uma passarela alta em relação à areia da praia. Os pinguins ficam circulando livremente pela orla, se exibindo ao público. Mas não há contato físico, ok?

11. E esta história contra o Apartheid e sobre Mandela são mantidas em Joanesburgo?
Com muito orgulho em toda a África do Sul. Um museu retrata perfeitamente cada época do movimento que durou entre os anos 1970 e 1990. Os sul-africanos consideram Mandela um mártir por sua bravura e resistência. Foram 27 anos na cadeia até ser solto e eleito o primeiro presidente do regime democrático do país. Ele recebeu mais de 250 condecorações por todo o mundo pela sua dedicação ao combate da discriminação racial, incluindo o Nobel da Paz. Mandela tem estátuas espalhadas pela cidade e uma grande praça com seu nome. Vale a visita.

12. Como é a segurança em Joanesburgo?
A cidade é muito maior que Cape Town e tem bairros muito pobres e violentos. Prefira andar em grupos, ou utilize táxis e uber até as principais estações de trem/metrô. Os ônibus de turismo, daqueles vermelhos de dois andares, cobram o equivalente a R$ 45 por dia e fazem todo o principal percurso turístico. Você pode ficar nas diversas paradas, explorar os arredores e retomar o veículo para outro local.

13. O que mais tem para se conhecer em Joanesburgo?
Há muita atração, afinal, a cidade é enorme. Visite a Praça Gandhi, que dá nome ao espaço onde Mahatma atuou como advogado a partir de 1893 lutando em favor dos direitos da minoria hindu que vivia na África do Sul. Fica aqui o mais alto prédio do país, o Carlton Centre, com 223 metros. Dá para ter uma vista incrível da cidade. Tem ainda a Casa Mandela, onde viveu o líder africano; o Constitution Hill complexo que abriga a mais alta corte judiciária do país e mantém a Old Fort Prision, prisão que abrigou centenas de presos antes de a África do Sul conquistar a democracia. Aproveite para conhecer a gastronomia local e a intensa malha de restaurantes e lanchonetes. A maior cervejaria do mundo, a SAB Miller mantém sete fábricas na África, mas é em Joanesburgo que fica seu museu interativo, espaço onde conta a história da cerveja, sua própria história e possibilita aos amantes da cerveja degustar seus produtos. 

14. Dá para fazer safári por lá?

Há vários parques e reservas nos arredores. O Lion Safari & Park é um deles e foi o que visitamos. Pelo equivalente a R$ 130 nos pegaram no aeroporto e depois do passeio nos levaram até o hotel onde ficaríamos hospedados. No local é possível ver de perto (dentro de caminhões-gaiolas ou em seu próprio veículo) animais como leões, hienas, leopardos, raposas e girafas. Outra atração são as fotos com a cheeta ou com os filhotes de leão. No Parque Nacional Krueger, a 500 quilômetros de Joanesburgo, o foco é conhecer os Big Five, os cinco maiores animais da África do Sul mais difíceis de serem caçados (leão, rinoceronte, elefante, búfalo e leopardo). O Pilanesberg é outro parque que fica um pouco mais perto, a 200 quilômetros de distância. A grande vantagem é poder fazer um safári mais rápido, de menor duração, e voltar da savana para a cidade grande no mesmo dia.