Hospedagem para quem ama fazer amigos ou prefere ficar numa boa sozinho

No post de hoje, o Passaporte Oficina destaca outras duas formas de se hospedagem em uma viagem: de maneira coletiva ou individual, em diferentes meios de instalação. 




Albergues

Fazer amigos e se relacionar com estranhos. Esta é a vibe de quem ama se hospedar em hostels. A vida social é, talvez, o maior incentivador deste meio de hospedagem. Se bem que os preços também contribuem para que estes locais sejam cada vez mais requisitados pelos viajantes.

Em nenhum outro lugar você terá acesso a tantas diferentes pessoas do mundo. Muitos verdadeiros desapegados, que deixaram tudo em suas terras natais para conhecer de perto cada cantinho do planeta. Além da possibilidade de quartos coletivos, onde você divide espaço com desconhecidos, a estrutura comum para todos também é organizada para que haja interação. Como os bares com festas praticamente todos os dias. Tem ainda a cozinha coletiva. Mas preste atenção nas regras de cada um.

Diferentemente de um hotel, em que os funcionários fazem as tarefas, num albergue você se responsabiliza pelos seus atos. Se sujar, limpe. Arrume sua cama. Cuidado com a movimentação e barulho após às 22h. Respeite o espaço dos outros e mantenha-se solícito e simpático. Você pode conhecer num hostel um grande amigo para a vida. 





AirBnB

A variedade de casa, apartamento, estúdio, quitinete ou somente um quarto é grande no AirBnb, site que congrega pessoas interessadas em alugar seus espaços por um período àqueles que querem pagar para ficar nestes lugares. Por meio de um site ou aplicativo, você encontra o local que deseja alugar por algumas diárias, faz o pagamento via cartão de crédito e depois desfruta do espaço.

A grande vantagem é que o próprio AirBnB garante a segurança da negociação. Se algo der errado, eles mesmos ajustam e asseguram sua estadia. A desvantagem (para quem vê como desvantagem) é que você faz tudo sozinho, sem funcionários para preparar seu café da manhã e sem outros hóspedes para se relacionar. Mas é uma ótima solução porque amplia o leque e dá a você mais possibilidades de hospedagem ao redor do mundo. 

O Passaporte Oficina já experimentou

Hostel – “Fiquei em excelentes hostels na Europa. Como por lá a minha proposta era uma viagem mais econômica, agendei pelo site Booking hostels em vários lugares, como Berlim e Londres. Em Berlim cheguei a pagar sete euros a diária em um albergue muito bom! É bacana avaliar opiniões de quem já se hospedou, disponíveis no site. Critérios como localização, segurança e limpeza sempre foram a minha base para escolher o lugar. Recomendo!”, explica a jornalista Patrícia Wippel.

AirBnB – “Já experimentei duas vezes no Rio de Janeiro e em Nova York. Agora adquiri algumas diárias em um estúdio de Telaviv, para onde irei no Carnaval de 2017. Sempre foram ótimas experiências, sem problemas”, revela o jornalista Ricardo Ruas.