Palavra de viajante: cidades + caras e + baratas


O empresário Tércio Pereira, que já viajou mais de 20 países, comentou para o Passaporte Oficina sobre a lista As 10 cidades + baratas e as 10 + caras para viajar. Confira as dicas.

Assim como existe o índice McDonald’s, o meu se chama índice cerveja. Da lista das mais baratas já fui pra Kuala Lumpur, Bangcoc e Bali. E, realmente, são muito baratas. A cerveja em garrafa custa cerca de U$ 1, U$ 2, no máximo.  A refeição sai entre U$ 3 a U$ 5. Nunca bebi e comi tanto como nestes lugares. E isso que a comida era “tri” apimentada. Mas, sério: um prato de camarão por U$ 3? A pimenta importa? Beba cerveja pra apagar a ardência!


Quero Bolsa

Sobre as mais caras já fui em quase todas e isso me fez refletir que estou escolhendo errado as cidades (risos). A que achei mais cara foi Tóquio. Só para se ter noção,  a ida de táxi do hotel ao aeroporto saiu quase 500 reais (tem metrô, eu sei, mas precisei ir às 3h da manha, quando o meio de transporte mais barato não estava funcionando). Cingapura também é muito cara, uma cerveja custa em torno de U$ 14 a U$ 18 e era menor que uma long neck (fiquei super chateado).

Agora sobre o Rio de Janeiro, discordo. Acho uma cidade até com um preço ok. Roma,  Paris e Nova York têm preços parecidos entre si. Uma cerveja gira em torno de U$ 8, U$ 9 e a comida na faixa de U$ 14. Mas quem quer economizar sempre consegue. O McDonald’s custa em torno de U$ 1, e na Europa tem muito restaurante chinês onde você come bem e paga menos de U$ 7.


Sobre as acomodações, hoje em dia com hotel, hostel, Airbnb, couchsurfing, e afins, em qualquer lugar do mundo tem hospedagem para todos os bolsos.