Grandes corações em uma Big Apple


Uma foto publicada por ricruas (@ricruas) em


Quem costuma generalizar as coisas da vida, vai se surpreender nos Estados Unidos. Aquela ideia de pessoas fechadas, egoístas, que não se interessam pelos outros não faz o menor sentido. Pelo menos nos meus dias em Nova Iorque. Desde o primeiro passo, ainda no aeroporto de Detroit, me deparei com gente educada, honesta e prestativa. Como já escrevi e mostrei nas minhas redes sociais, tive um problema que poderia ter me custado toda a viagem. Esqueci meu dinheiro na esteira do raio-x durante a conexão de Detroit para cá. Eu, claro, não sabia do esquecimento, que me foi avisado quando desembarquei no aeroporto de La Guardia. Estavam anunciando meu nome para eu procurar a companhia aérea que me trouxe. Era a informação de que meu dinheiro e alguns documentos da escola em que eu estudaria haviam sido encontrados.


Uma foto publicada por ricruas (@ricruas) em

Sorte pura. Com meu nome no documento, ligaram para a escola, descobriram várias informações a meu respeito e começaram a me procurar para fazer a entrega do valor. A escola, que havia sido contatada, também iniciou a saga de me enviar mensagens por WhatsApp para me deixar tranquilizado. Por fim, também contatou a família que me hospedaria, para que já soubessem do problema e pudesse pagar pela corrida de táxi do terminal até a residência. Em menos de uma hora em terras americanas, já havia uma ‘multidão’ articulada para me ajudar.



A história se desenrolou por mais alguns dias, até eu efetivamente pegar o dinheiro. Mas ao longo deste período, fui super bem recepcionado e orientado, não apenas pela família que me recebeu, como também pela equipe da ILSC e por cada desconhecido que eu precisei pedir informação ou ajuda. E neste caso me refiro até àqueles que não sabiam do meu problema, como motoristas de ônibus, ou pessoas no metrô. Foi um susto, sim, mas solucionado. E eu, mesmo com tanta experiência em viagem, percebi o real motivo de gostar tanto de viajar. É poder quebrar paradigmas, entender que existem muitas pessoas boas no mundo, e que gentileza é o caminho para uma vida mais alegre, por mais simples que ela seja.

Impressões sobre Nova Iorque



- É realmente uma Torre de Babel. E isso se reflete principalmente na moda. As pessoas vestem o que querem, da maneira que querem. E ninguém liga para isso.

- As novidades não param por aqui. Que tal um parque onde cabras foram colocadas nas áreas verdes para não ter que fazer o corte da grama? Os animais é que cuidam desta parte.

- Comida para levar sai mais em conta do que para comer no restaurante. Por isso tem tanta gente comendo enquanto caminha ou sentada nos parques.

- Também sai mais em conta comprar comida pronta, do que adquirir os ingredientes para cozinhar em casa. Daí a suspeita de como os fast-foods ganharam espaço nos Estados Unidos.

- As mulheres são fortíssimas nas diferentes profissões. Da motorista do ônibus ou trabalhadora da construção civil à direção de uma empresa, elas competem de igual para igual no mercado de trabalho. O mesmo vale para cor da pele e orientação sexual. Ou seja, aqui a competição é por habilidade própria.